Atualmente, a decoração se mostra um campo cada vez mais consolidado no mercado em função do grande interesse e adesão das pessoas, até mesmo dos leigos ou poucos entendidos do assunto.

Afinal, todo mundo adora dar aquele jeitinho em casa, mudando um mobiliário aqui, pintando uma parede ali, principalmente nesse mundo onde tudo está em constante mudança. Talvez isso já esteja enraizado no gene do ser humano.

E para os adeptos dessa mudança, principal em decoração, aqui vai algumas dicas para escolher o quadro decorativo perfeito para a sua casa, uma vez que dentro desse contexto, trabalhar com quadros decorativos tem sido a alternativa ideal para o projeto de interiores, principalmente para aquelas escolhas simples, mas que fazem toda a diferença.

 1. Personalidade

Um dos primeiros passos para compor um projeto de decoração com quadros, é identificar a personalidade e estilo de vida do morador/cliente. Até mesmo para presentes simples, é preciso saber do que a pessoa gosta, qual o momento em que ela se encontra atualmente, e isso varia muito, desde os que tenham uma vida mais corrida e prática para os incansáveis viajantes colecionadores de memórias.

Tudo isso tem relação direta com cada proposta. Além da localização que também tem grande influência, onde pode-se ter projetos despojados dentro do perímetro urbano ou um mais clássico em ambientes de conotação histórica, lembrando que isso não é necessariamente uma regra.

2. Complemento

Pode acontecer de você acabar o seu projeto de interiores e estar tudo lindo, mas ainda sim, sentir que está faltando alguma coisa. Na hora de pensar sobre esse quadro que complementa, é necessário considerar todo o trabalho que foi feito antes. Se você tem um espaço mais elaborado em cores, diversas texturas e móveis, siga no mesmo caminho e continue ousando.

Já para ambiente discretos, no estilo clean por exemplo, vale investir em componentes minimalistas, poucas cores, com formas geométricas, dentre outras.

São diversos tipos de decoração e artes, o importante é acompanhar a mesma linha de raciocínio.

3. Vazios

Vale observar os espaços vazios da casa, aquela área acima da mesinha de canto, a parede da escada para o segundo andar, até mesmo em ambientes de serviço como a cozinha, área de circulação. Ainda considere as paredes paralelas com as entradas e acessos.

4. Parede

Importante ressaltar sobre as medidas dos quadros, principalmente se for apenas uma unidade por composição. Isso se relaciona diretamente com o formato das paredes.

É preciso observar o formato da parede proposta, definir medidas considerando as áreas que precisam ser respeitadas para pendurar o quadro, como a de 1,60m do chão. E acompanhar essas medidas. Paredes com extensão vertical, quadros verticais por exemplo.

5. Moldura

A moldura do quadro acaba indo de encontro com a primeira dica para saber e entender sobre a personalidade de cada pessoa. Para cada tipo de personalidade, um tipo de moldura diferente.

 6. Composições

Para as composições, a verdade é que não tem nenhuma regra, considerando é claro o bom senso. É super válido compor muitos quadros com apenas um estilo artístico ou fazer um mix de cores, diferentes artes e molduras, com fotografias e frases, desenhos e tudo o que lhe mais lhe agrada.

 

Porém é bom lembrar a importância de planejar essas composições antes de sair pendurando quadros e acabar estragando a parede.

7. Iluminação

A Iluminação em si, pode exercer duas funções bem distintas e isso merece bastante atenção. Ao mesmo tempo que pode ser uma ótima escolha e valorizar o seu ambiente decorado, pode prejudicar a qualidade e vida útil dos quadros através da luz solar.

Então é importante saber sobre os horários em que o ambiente é afetado, aqueles com alta incidência solar (de 10hs às 17hs) afeta e muito. Ou escolha do tipo de quadro, pois, quando tiver placa de vidro por exemplo, o reflexo da luz irá cobrir toda a arte do quadro. Portanto fique atento a esses detalhes.

São muitas as formas de escolha, tanto para presentear quanto para melhorar o seu ambiente de convívio. Vale observar, planejar, dedicar um tempinho a isso. No fundo vira uma atividade até prazerosa, onde qualquer resultado proveitoso se torna boas possibilidades futuras.